The WordPress.com Blog

WordPress.com em Português

Que Português falamos afinal?

Como é sabido, em todo o “planeta” WordPress (ou seja, tanto .com como .org) são suportados vários idiomas. O que talvez não seja tão óbvio, talvez por essa não ser uma política explícita, é o facto desses idiomas por vezes estarem separados por países, ou até por variações regionais. O que estou a dizer é fácil de constatar no caso da língua portuguesa, representada aqui e por enquanto por apenas dois países: Brasil e Portugal.

Assim, na vertente WordPress.com temos à disposição:

No que toca a WordPress.org temos também:

Ora bem, faz-me comichão. Uma comichão subjectiva, estamos de acordo, mas comichão mesmo assim. De onde estou a ver (e pode ser que esteja num lugar menos bom…) parece-me que, se bem que faz sentido ter homepages diferenciadas (em ambos os sítios) por estas apresentarem variações nacionais onde elas são importantes (blogs em destaque, traduções e afins), não faz sentido nenhum existirem fóruns separados.

Na realidade, e por experiência de bastante tempo de moderação dos quatro (!) fóruns acima mencionados, o que acontece na prática é que um utilizador, independentemente de onde resida ou de que “português” fale, acaba sempre por colocar a sua dúvida em vários sítios ao mesmo tempo. Ou seja um brasileiro usa o fórum português e vice-versa, sem o mínimo dos problemas e temos moderadores portugueses e brasileiros em qualquer um dos fóruns existentes. Isto nem falando da multiplicação inevitável destes sítios todos se as restantes comunidades lusófonas decidirem participar também.

Cheira-me não só a dispersão desnecessária como, pior ainda, a manter uma divisão que na vida real não existe. Quando chega o momento de colocarmos dúvidas e oferecer ajuda, falamos todos a mesma língua, está mais do que demonstrado.

Pergunto eu: os fóruns não deveriam ser fórums da língua portuguesa, só, em vez de fóruns de Portugal e do Brasil? Não nos entenderíamos à mesma e talvez até melhor? Não seria isso uma ajuda para que o resto da lusofonia pudesse mais fácilmente participar? A pergunta não é totalmente inocente, uma vez que se anticipam algumas alterações e melhorias a todo o ambiente WordPress e aquilo que esta comunidade opinar pode muito bem vir a ser a experiência “piloto” na problemática idioma/país.

Opiniões, precisam-se. Obrigado.


Missing out on the latest WordPress.com developments? Enter your email below to receive future announcements direct to your inbox. An email confirmation will be sent before you will start receiving notifications - please check your spam folder if you don't receive this.

Junte-se a 36.846 outros seguidores

51 comentários

  1. cap

    Concordo totalmente. Não são as diferenças de grafia ou de sentido de algumas expressões que nos impedem de aceder a um fórum comum.
    A maior diferença entre os dois lados do Atlântico tem mais a ver com temáticas e isso, só por si, justifica a existência das duas homepages.

  2. xcobar

    Também concordo – esta divisão dos Fóruns, é daquelas idéias que aparenta ser ótima, mas, na prática, perde um tanto o sentido.
    Lembrei-me muito Matt, reclamando da divisão entre WordPress e WordPress MU – e cujo caminho de volta estão agora a trilhar, visando a unificação dos códigos.
    A homepage para Brasil e Portugal, por conta das listas de blogs em destaque e características de individualização, entendo, devem continuar separadas, preservando a identidade nacional.
    Mas os Fóruns, realmente, seria muito interessante a integração – sem contar que tornaria ali, ainda mais, um espaço de convergência, onde usuários brasileiros e portugueses conveveriam, trocariam suas experiências; e preparariam uma grande base de dados (perguntas e respostas), até para que as demais nações, que falam nossa língua, possam usufruir num futuro próximo.
    Muito bom este questionamento!

  3. Cátia Kitahara

    Zé,

    Eu estou de pleno acordo. Por mim, ficaríamos unificados em tudo, menos nas traduções dos programas, pois apesar do acordo ortográfico, continuamos a falar nossos portugueses diferentes e tão lindos, (adoro a segunda pessoa!)🙂
    Tens meu apoio😛
    Aliás, nas traduções do codex também deixamos apenas pt as poucas páginas que traduzimos, por acharmos desnecessário haver duas traduções.
    Abs
    Cátia

  4. Américo Tavares

    Sou o terceiro a concordar com a transformação dos dois, por enquanto, num único fórum. Penso que, no máximo, os temas diferentes serão debatidos, conforme os casos, mais por uns do que outros, no que não vejo qualquer mal.

  5. A Ovelha Perdida

    Acho bem que haja apenas um fórum da Língua Portuguesa. Ponto.

  6. paranoiasnfm

    Português é Português.
    Acho uma estupidez esta distinção entre o PT-PT e o PT-BR… acho, pura e simplesmente, uma burrice.

    Tal como a dita história do acordo ortográfico.

    É Português, ponto final.
    Acho que qualquer brasileiro, qualquer português percebe bem a diferença e sabe ler um texto até ao fim, seja ele com Português puro ou brasileiro.

    Enfim

  7. sebmellovip

    Concordo com a existência de um só fórum em Língua Portuguesa. Penso até que o corretor deveria já respeitar o Acordo Ortográfico. Cumprimentos!

  8. Freitas

    Concordo com uma unificação tanto em termos de fóruns e até mesmo de sites da comunidade de Língua Portuguesa. Evitaria duplicação de meios e concentraria informações.

    [ ]s do Frei

  9. Esteva

    Eu também concordo, a língua é a mesma, as dúvidas são comuns, indepentemente da ortografia e da sintaxe. Sempre nos entendemos, antes, durante e com o acordo ortográfico (com o qual concordo INCONDICIONALMENTE ) .

    Com o que eu não concordo é com a utilização de “suporte” em vez de “ajuda” e de “antecipar” em vez de “prever”. É que estas duas palavras são inglês mal traduzido e a minha pátria é a língua portuguesa. Seja como for, ambas estão a entrar no léxico e, como a língua é feita pelos falantes e não pelos puristas, reconheço que mais tarde ou mais cedo até eu vou aceitar estas duas palavras como tradução ora de “ajuda” ora de “prever”…. A língua portuguesa é uma só, seja ela escrita e falada onde for, tenha ela as variedades geográficas que tiver!

  10. taciturnus

    Gostaria que houvesse uma homepage única para portugueses e brasileiros, assim como um fórum único para portugueses e brasileiros.

    Partilhamos bastante mais que uma língua – não vamos manter divisões artificiais.

    Unificação, já!

  11. Clavis Prophetarum

    Uma língua, a portuguesa.
    As diferenças de grafia são mínimas e não prejudicam a interpretação.
    Voto por um forum.

  12. Vera

    Homepage não concordo, forum sim. Falamos a mesma lingua, mas por exemplo na gestão dos próprios blogues, usamos termos diferentes para coisas diferentes… não é como no forum que temos por perto alguém, nomeadamente um moderador para nos orientar nas nossas dúvidas.
    Sim ao Forum único.
    Mas sem qualquer tipo de preconceito. Já sabem, as opiniões são como as… pronto, isso… cada um tem a sua.
    Saudinha a todos🙂

  13. fragomes

    Já sou velho nestas andanças de fóruns, chats, icq’s e afins. Frequentei vários fóruns brasileiros em áreas ligadas com tecnologia e computadores e nunca tive problemas de entendimento do “brasileiro” muito embora em algumas ocasiões tivesse de lhes pedir tradução de algumas palavras próprias e vice-versa, como é natural. Em Portugal, por vezes, tenho dificuldade de entender um madeirense e um transmontano e não deixam de ser por isso, portugueses e falarmos a mesma língua. Quanto ao acordo ortográfico, santa paciência mas como dizia o meu grande Avô “a mim ninguém me vira” e eu vou continuar com o meu português que aprendi nos idos anos 50 e sempre utilizei pela vida fora, com as pequenas correcções (correções, n’é?) ortográficas que se justificam. Quanto aos fóruns e homepages WordPress, penso que unificando-as numa única só, não só colocaria todos os assuntos num único local acessível a todos os falantes de língua portuguesa, sejam eles brasileiros, africanos, asiáticos ou de qualquer parte do Mundo por onde deixámos a nossa língua, como o acesso seria muito mais fácil na medida que os mesmos assuntos não ficariam dispersos pelos dois lados, o pt e o br.
    Mas o mais engraçado é que parece existir melhor entendimento da língua brasileira (eu diria sotaque e termos próprios) pelos portugueses do que o contrário. Dizia-me há tempos uma amiga brasileira, companheira de fóruns, que ela tem muita dificuldade em entender-nos, quando falamos, porque diz ela que falamos muito depressa…🙂

  14. tomasbarao

    Apenas quero dizer que concordo. É só mais um voto para a petição!

  15. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    Caro Zé

    Sabendo que vou talvez ser a única, – e que poderão chover os votos negativos sobre a minha visão – eu penso que haver dois forums tem mais vantagens do que desvantagens, e que é melhor não desfazer o que já existe, mas sim continuar a aperfeiçoar o que existe, em dois forums amigos e irmãos. É isto a Unidade. Unidade não é os peixes grandes comerem todos os peixes pequenos.

    Para se fazer boa pintura, as cores diferentes, têm que estar perfeitamente limpas e separadas. Elas, em COMBINAÇÃO, produzem a Luz. Já quando se mistura tudo, dão uma mixórdia sem côr que só serve para o lixo.

    Para me explicar, vou dar um exemplo:

    É como haver uma orquestra onde se explora e toca a música barroca, e querer fazê-la desaparecer numa gigantesca orquestra onde se toca toda a música clássica, proibindo-a, eliminando-a. Sabemos que é tudo música clássica, e reconhecemos a importância de toda ela, mas não devemos tirar o direito das pessoas que querem ouvir a tal música barroca, e o bom trabalho das pessoas que gostam de aprofundar determinada música de determinado periodo.

    Não há qualquer vantagem, porque vantagem é deixar as duas orquestras existir. O bom é não andarmos à Guerra.

    E nós não andamos à Guerra! Então, não mexer.

    Como diz o Zé, e correspondendo à minha metáfora, até “somos aceites como músicos na outra orquestra que não é aquela onde tocamos normalmente”. Perfeito assim. Deixar estar.

    A minha metáfora poderia ser bastante aperfeiçoada falando antes de 2 palcos e de 2 oficianas para arranjar os instrumentos, mas a ideia básica permanece.

  16. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    Agora outra coisa: a sociedade mais democrática que conheci até hoje foi uma comunidade de sucesso na Alemanha onde TODAS AS DECISÕES são tomadas unicamente POR UNAMIDADE DE TODOS.
    Parece que é uma das comunidades de sucesso.

    Também em relação a esta questão seria interessante se fizéssemos essa experiência. Se não continuassem a tradição falsamente democrática de se ter que seguir a opinião da maioria.🙂

    A necessidade de decisões por unanimidade, leva ao bom-senso, ao diálogo, leva a muita reflexão, a muita aprendizagem, ao respeito pelo outros. E a que não se esmague a procura da leveza da qualidade, em favor do peso da quantidade.

    Uma mui falsa “Unidade” puramente mercantil já nos é imposta em todo o lado. É melhor salvarguardar a liberdade das minorias onde podemos, e onde elas não estão a fazer mal a ninguém, pelo contrário, elas buscam a complementaridade, a cooperação e a combinação. Mas não o desaparecimento.

  17. António Marafuga

    Os povos têm o direito à sua identidade específica: não é bem um direito, mas antes uma ‘questão’ de existência. Os Portugueses vão caminhar no sentido de serem cada vêz mais portugueses e os Brasileiros no sentido de seream cada vêz mais brasileiros.
    Nos séculos XVII e XVIII a língua portuguesa era falada e escrita cá e lá de igual modo (mesmo que muitos não a falassem ou escrevessem). Em dois séculos deu-se cá e lá uma evolução bastante visível e que – malgrado os vários acordos – hoje diferencia os dois falares. No futuro esta diferenciação será maior, até ao momento em que se tornará necessário traduzir uma para outra língua. Nada disto é novo. O Português diferenciou-se do Galego e ninguém pensa unificar os dois falares, mas antes traduzir um para o outro. Os galagos perderam Camões e Fernando Pessoa para o Português, os portugueses perderam Rosalia de Castro para o Galego.
    Querer que os Portugueses falem ‘brasileiro’ ou que os Brasileiros falem ‘português’ é um puro disparate, um remar contra a maré. Cada um de nós deve querer e fazer um esforaça para que cada Português seja mais português e que cada Brasileiro seja maios brasileiro.
    Tal como um Português ou um Francês pode opinar num forum inglês ou espanhol, não vejo qual o problema de um Português ou um Alemão opinar num forum ‘brasileiro’, ou vice versa.
    Em conclusão: há uma grande confusão nesta matéria do ‘português’ e do ‘brasileiro’. A todos os níveis, mesmo ao alto nível do Estado. Nomeadamente até haverá uma grande confusão na minha cabeça, mas eu esforço-me por separar as águas e compreender as questões. Obrigado.
    António Marafuga

  18. Mateus Neves

    Concordo plenamente com a unificação dos fóruns entre outras coisas entreo Brasil e Portugal. Eu já encontrei muita ajuda em sites Portugueses quando não achava em sites Brasileiros. Acho que se falmos a mesma lingua com algumas peculiaridades diferentes não tem porque dividir as idéias. Quanto mais pensadores e estudiosos juntos que se entendam, vai ser muito melhor.

  19. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    Caro Mateus Neves

    “Eu já encontrei muita ajuda em sites Portugueses quando não achava em sites Brasileiros. ”

    Concerteza. E é muito bem vindo aos sítios portuguesas. Porque não continua a ir lá, simplesmente, e a dialogar à vontade? Até pode colaborar, também😉.

    Podemos ser os melhores amigos – irmãos, até, e visitarmo-nos. É bem vindo como hóspede, ainda. Já outra coisa é termos que viver juntos na mesma casa.

  20. fooddesignblog

    Ótimo ponto. Concordo.

  21. Luís Sequeira

    Não vejo razão alguma para não unificar os foruns e a homepage, já que pelo menos a nível da língua oficialmente já está “unificada”.

    É ironico que os foruns ingleses, americanos, canadianos, australianos, neozelandeses, etc. possam ser um só, apesar de cada um desses países ter uma grafia diferente a língua de Shakespeare; nós, lusófonos, alegadamente temos uma língua unificada, mas foruns separados🙂

    A questão é saber o que é mais importante para a disseminação do WordPress: uma organização por países ou por línguas. No primeiro caso, fará mais sentido ter foruns separados para países distintos (nesse caso queremos pelo menos oito foruns em português!). No segundo caso, se a união é pela língua, mais vale termos um só. Afinal de contas a língua portuguesa é a 6ª língua mais falada em todo o mundo — mesmo que 4/5 dos falantes de português estejam concentrados num único país, o Brasil🙂

  22. gcestreito

    concordo plenamente com o seu ponto de vista.
    a separação dos fóruns de portugal e brasil fragmenta a partilha de experiências e troca de ideias, contrariando o princípio de abertura e universalidade da www. sou também de opinião de que seria muito mais enriquecedor que existe apenas um fórum, não só para os utilizadores de portugal e do brasil, mas também para toda a diàspora e países da lusofonia.

  23. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    Cara Esteva
    “Com o que eu não concordo é com a utilização de “suporte” em vez de “ajuda” e de “antecipar” em vez de “prever”. É que estas duas palavras são inglês mal traduzido e a minha pátria é a língua portuguesa. ”

    Então e o esforço? É dizer isso e depois ir com o rebanho?

    Caro gcestreito

    Poder ter a experiência da língua bem falada e escrita, não é fragmentação de experiência, é dar essa possibilidade a quem a aprecia, e a quem a defende, à lingua minimamente bem falada e escrita. Para que ela não desapareça, para não a perdermos, como a perderam os ingleses e os alemães. É uma das riquezas que temos.

    Caro Luís

    Quanto ao seu exemplo, os australianos, os americanos e os canadienses não têm o mesmo problema, já que o nível de instrução da maioria da sua população é outro, e consequentemente, o uso da sua língua é também outro. Justamente por ser 4/5 da população é que a proporção é desigual e opressiva, nas condições referidas.

    Mas enfim, não “suportam” os pequeninos, vê-se. Risos.

    “Antecipa-se” de facto acontecer à Língua de Camões muito pior do que aconteceu, realmente, à Língua de Shakespeare. Lágrimas.

    É uma atitude muito mais amiga para os brasileiros, ter um forum português-pt onde eles podem vir à vontade. Dessa forma, fazemos JUNTOS, a língua subir, em vez de descer. Até porque a comparação e a confrontação, enriquece. Unir por cima, não por baixo, como no comunismo. Unir pela riqueza, não pela pobreza. Unir pela Areté, pela elevação. Não pela preguiça e conveniência do fácil.

    Areté = a procura da excelência, em Grego.

  24. Luis

    Na Wikipédia, não há português europeu, americano, africano ou asiático. Há português. Logo há artigos em português “padrão” e em português brasileiro. E ninguém fica a perder. Logo, porque não juntar tudo e nas palavras ou expressões diferentes colocar ambas as versões, tipo: Ficheiro/Arquivo?

  25. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    A Wikipédia?

    Professores bem informados desaconselham aos seus alunos a Wikipédia ou não a aceitam como fonte de referência.

    Muitas pessoas evitam a Wikipédia sempre que haja uma melhor fonte de informação, sobretudo a portuguesa, já que corrói o português dos jovens, ou dos portugueses residentes no estrangeiro. Ou é francamente desagradável de ler em grande parte dos seus artigos, para outros.

    Boa comparação.

    Milhares de pessoas lêem antes em espanhol e inglês do que em brasileiro, tanto livros como a Wikipédia!!!

  26. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    Ficheiro/Arquivo, só serve para as palavras se misturarem no seu significado e passado pouco tempo já ninguém saber o que quer dizer o quê. Tornam-se sinónimas, enquanto que não o são.

    É o terrível empobrecimento – e confusão no espírito – a que me refiro.

  27. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    Gostaria de dizer obrigada ao Zé, que até aqui tem moderado os quatro fórums, e que, evidentemente, fala com experiência.

  28. Carolina

    Acredito que além de mais correto, seria bem útil aos desavisados, distraídos ou iniciantes, na procura por resolver suas dúvidas nos foruns. Pois quantos sabem que existem os dois foruns, Brasil e Portugal?

    E também acho importantíssimo preservar a origem correta das palavras na língua portuguesa, somando para enriquecer e nunca para empobrecer como disse nossa colega acima. Já não basta usarmos tantas palavras vindas do ingles, de forma que se tornaram natural como mouse, email
    tinha de ser mesmo rato, correio, não? E porque não fazemos? Preguiça?

  29. Francisco d'Oliveira Raposo

    Lendo os argumentos, e de aquilo que tenho experimentado penso que seria interessante a unificação dos fóruns

  30. Jorge Daniel Medina

    Português e Português do Brasil, DEVEM estar separados!

    Irrita-me ver sites em língua portuguesa mas ao que tudo indica não passa de português do Brasil.

    É muito comum encontrar estas situações!

    Por favor não misturem as escritas…

  31. Ricardo B. Motta

    Decidimos pela língua como agimos com o coração.

    É assim na ciência, na ética, nos negócios, no esporte e na fé.

    Separatistas vivem uma realidade de ostracismo. Dualidade é o seu lema.

    Agrupadores abrem mão da riqueza em prol da união. Monismo é a sua crença.

    Um valoriza a realidade material.

    O outro, apenas a mente.

    Em resposta a questão inicial, o destino do Português que aqui expusemos é o mesmo que em nossas vidas praticamos.

    O meu é unificador.

  32. grijo

    Concordo em absoluto. Por que não “Em Português nos Entendemos”. Ainda que haja naturais e históricas variações fónicas e gráficas entre o Português do Brasil e de Portugal, a verdade é que se trata de uma só Língua. Esta será uma forma de nos aproximarmos e estreitarmos laços. Dividir ainda mais, não!
    Já agora, ninguém me pediu que esta mensagem fosse em Português do… ou de…

    Abraço
    JMCouto

  33. Joao Ledo Fonseca

    Em absoluto, não faz qualquer sentido haver foruns diferentes. Mas nem sequer faz sentido a existência de diferentes hoem pages.

    As diferenças linguisticas são minimas, as lexicais são insignificantes, e fácilmente ultrapassáveis, e as de grafia NÃO EXISTEM desde o último acordo ortográfico. O que existe de diferença entre ambos os “portugueses”, visivel ou detectavel numa home page, não passa de pequenas variações, ainda menores que as variações entre o português de Braga e o de Beja, ou de S.Salvador da Baía e o de S.Paulo.

    Português há só um… com muito colorido!

  34. José

    O português do Brasil e o de Portugal são muito diferentes, tanto que alguns linguistas já dizem que são idiomas distintos. Isso não acontece entre ingleses e americanos, por exemplo.

    Há diferenças enormes entre os termos técnicos brasileiros e portugueses, e não só.

    Quanto à Wikipedia, que alguém citou acima, talvez mtos não saibam que a grande maioria dos editores brasileiros é a favor da criação de uma Wiki brasileira distinta.

    Sinceramente, nunca gostei de ler as traduções portuguesas. Acho simplesmente ridículas. Tenho um livro de Dostoievski traduzido em Portugal que é, para ser franco, uma verdadeira piada de português, e todos os meus colegas de faculdade que tomam contato com livros portugueses fazem piada do jeito que eles escrevem e traduzem.

    Sou, portanto, contra a unificação.

  35. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    hahahaha, os dois últimos posts explicam algumas razões porque sou contra esta unificação, melhor do que tudo o que eu disse.

    Sou contra a unificação porque todos os bonzinhos dos portugueses querem este amor esta irmandade – como eu, aliás, mas isto não vai ajudar, pelo contrário.

    Não conheço um único brasileiro capaz de reconhecer que o acordo ortográfico é quase todo a favor deles, capaz de julgar as coisas imparcialmente. Não. Só se queixam como se os sacrifícios fossem os mesmos, enquanto que o acordo, é simplesmente um esmagamento da minoria portuguesa que eles desprezam, pela maioria brasileira, qeu ainda por cima se queixa e faz de vítima.

    Sou contra porque os portugueses são super dignos, tolerantes, compreensíveis… e tudo isso vai apenas ser sacrificado a interesses globalistas de marketing, contra a cultura, esmagado por uma maioria completamente indiferente e ignorante dessa riqueza multi-cultural que João Fonseca refere acima.

    Os meus irmãos portugueses não têm coragem de ver a verdade pois não? Não acreditam pois não?

    pois o que José diz aqui é que é a verdade. Eis como a esmagadora maioria dos brsileiros vê o pt de Portugal: como ridículo, boçal e ignorante. Não é a brincar que eles preferem ler Pessoa “traduzido” para brasileiro. Não é a brincar que ELES DEITAM FORA isto é desprezam completamente as melhores traduções – sublimes! – que existem de HOMERO, as de Frederico Lourenço, ou de Sophia de Mello, ou quaisquer boas traduções.

    Tudo para o lixo meus caros. Pensem bem, porque vocês vão ser responsáveis.

    Tudo isto além de todas as razões que estão mais que explicadas pelos especialistas da língua, já se vê.

  36. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    A seguir a Frederico Lourenço deve haver um ponto.
    Refiro-me depois a todas as outras grandes traduções em geral.
    São as nossas que vão desaparecer – se todos se comportassem como võs, pelo menos.

    Os nossos livros desaparecerão do mercado, não compreendem? Não haverá interesse suficiente a nível de lucros financeiros. Não compreendem?

    Ajudem, por favor.

    O acordo ortográfico não se trata daquilo que aparenta ser, de uma questão de por o c ou não por o c.

    O acordo ortográfico trata de deixarmos que daqui uns tempos, a boa tradução portuguesa de PAEDA, de Jaeger, não existe mais – só existe a brasileira.

    Qualquer dia não podemos ler Schiller traduzido por Teresa Rodrigues Cadete (Casa da Moeda).

    Qualquer dia não podemos ler CUSA, nas traduções da Goulbenkian… não tudo será desprezado e ignorado.

    Os exemplos que dei são evidentemente preferências pessoais.

    MAS PELO AMOR DE DEUS, acordem! Tenham a responsabilidade de pegar em livros, de ir ver websites de brasileiros licenciados em filosofia… e vejam o português que eles falam e escrevem, o português que os vossos netos vão falar e escrever!!!

    NÃO SERÁ O português da minoria brasileira que também escreve e fala um português que é um prazer ler, e que esse sim, – é português, e faz pouca diferença do nosso.

  37. ElectroescadaS

    E afinal que Português é que fica? O nosso ou o “deles”? Não é por nada mas custa-me falar um pouco de Português”abrasileirado”…

    • @ElectroesacadaS: a ideia da sugestão é que ficassem os dois (ou três, ou quatro ou quantos forem. É preciso não esquecer que não se trata apenas de uma questão de Portugal e Brasil. O português é falado em mais sítios…), mas no mesmo sítio. Ou seja, cada qual fala o seu. Todos percebem e ficam a conhecer de mais perto as “outras” variantes da língua.

  38. Joao Ledo Fonseca

    A ideia de que o português escrito em Portugal é objecto de piada no Brasil é simplesmente FALSA.

    Piada fazia eu na faculdade (Eng. Electronica e Telecomunicações, da Universidade de Aveiro) quando lia numa tradução brasileira “disparo engatilhado pela borda ascente do impulso” para “signal triggered by the ascending edge of pulse” … no famoso Electrónica de Milmman e Halkias…

    Isso sim, é ridiculo, mas infelizmente nem sequer é “brasileiro´, é apenas resultante da falta de cultura, tão comum no Brasil onde há mais de 16 milhões de analfabetos, e onde muito mais de metade da população é analfabeta funcional, um país, aliás em que ALGUNS brasileiros se assumem como TRADUTORES, sem sequer conhecerem as palavras existentes nesse monumento da lingua portuguesa que é o dicionário Aurélio.

    E esta é aliás a mesma falta de cultura que leva alguém a dizer que o “brasileiro” é um idioma autónomo e diferente do “português”. Evidentemente isto não tem qualquer fundamento, tanto mais que as diferenças gramaticais, expressivas e lexicais são mais importantes entre os “brasileiros” das várias regiões do Brasil, do qeu o são entre um hipotético “brasileiro” e um “português” (de Portugal, entenda-se). E só não o são a nivel fonético.

    E pior ainda quando diz que essa diferença não existe entre EUA e RU!!! Esta então brada aos céus!!! è que nada mais falso, e basta dizer que muitos americanos simplesmente NÃO ENTENDEM o inglês falado (do RU). E não é necessário sequer comparar outros aspectos…

    Devo dizer que passei alguns anos no Brasil. Sei do que falo. Escrevi muitos manuais técnicos em “brasileiro”. Claro que tinha que substuituir umas quantas palavras… “Nota Fiscal” por “Factura”, “Planejamento” por “Planeamento”, “Directoria” por “Administração”… enfim… meia duzia de expressões, no total bem menos do que as substiuições que tive que fazer quando de São Paulo me desloquei para Pernambuco, para a Baía ou para a Amazónia…

    E depois pequenos aspectos na construção frásica, como o uso do gerundio e dos pronomes e das particulas reflexivas.

    Mas é isso o idioma diferente??? Ahahah

    Por favor poupem-nos a disparates e a faltas de cultura.

  39. Joao Ledo Fonseca

    Necessito ainda de dizer que compreendo que a um nível de irresponsabilidade coloquial se digam alguns disparates.

    O que me doi realmente é ver que há quem olhe apenas para o umbigo, e com isso ignore o resto do seu próprio corpo. É o que acontece quando se acha que o brasileiro é assim tão diferente do português, e vice-versa.

    Algumas das mais belas páginas de português são de Tomás Gonzaga, Castro Alves, Jorge Amado, . Alguns dos mais bonitos poemas da lingua portuguesa são de Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Cecília Meireles, Carlos Drummond de Andrade ou de Vinicius de Morais… ou até de Chico Buarque de Hollanda. E comparem-nos…

    Aposto que a grande maioria dos brasileiros nem os entende. Porquê? Eles escrevem um idioma diferente? Pois não… escrevem português.

    Só que um idioma não é o que se fala lá no nosso bairro. É muito mais do que isso.. são as palavras que conhecemos e as que não conhecemos. São as palavras que vêm no dicionário e as que construimos (veja-se a obra fantásticca Walt do Fernando Assis Pacheco, português, entenda-se). São as construções frásicas comuns e principalmente aquelas, que sendo incomuns, ainda que nos firam o ouvido delicado, são também artificios da lingua.

    Já coisas como dizia um vizinho, da Rua Augusta em São Paulo, “os cafageste dos policia, das policia militar” é não saber fazer a concordância de numero. Mas no bairro piscatório da minha cidade, diz-se “tenho que ir à repartição de finanças RETIFICAR quanto tenho que pagar”…

    E isto é apenas analfabetismo.

    Mas se estamos habituados a ouvir frases sem concordâmcia de género, de número, ou com uma estrutura deficiente, então lêr pessoa vai ser bem dificil. Como é dificil ler Jorge Amado ou Cecília Meireles, ou Eça ou qualquer outro prodígio da Lingua Portuguesa.

    Não se alinhe é a avaliação linguistica pela macacada que se fala lá no nosso bairro, ou por nos termos esquecido de aprender a lingua, algures no nosso passado.

    E por fim apetece ainda perguntar: e então que idioma será o de um José Eduardo Águalusa, João Ubaldo Ribeiro ou Mia Couto,,, porque não fazer um fórum para português Angolano, outro para português Moçambicano e outro para português Timorense, outro para português Guineense, Cabo Verdiano, São Tomense ou Goez. E já agora também um para português de Newark ou Parisience…

    Parece bem?

  40. José

    Em primeiro lugar, quero dizer que fui mal interpretado por aqui.

    Eu jamais disse, em momento algum, que o português lusitano é boçal ou sei lá o quê. Jamais disse isso. O que eu disse, em síntese, foram duas coisas:

    1- Há diferenças IMENSAS entre as duas variantes da língua;

    2- As (pouquíssimas) traduções portuguesas que me caíram em mãos são de péssima qualidade e, muitas vezes, não são nem sequer feitas a partir do idioma original. Neste caso, da obra de Dostoievski, foi feita a partir do francês. Felizmente adquiri um volume traduzido direto do russo pelo brasileiro Paulo Bezerra, pois não queria perder a leitura.

    Quanto ao que o sr. José Ledo (meu xará) disse acima, de maneira um tanto agressiva:

    “Isso sim, é ridiculo, mas infelizmente nem sequer é “brasileiro´, é apenas resultante da falta de cultura, tão comum no Brasil onde há mais de 16 milhões de analfabetos, e onde muito mais de metade da população é analfabeta funcional, um país, aliás em que ALGUNS brasileiros se assumem como TRADUTORES, sem sequer conhecerem as palavras existentes nesse monumento da lingua portuguesa que é o dicionário Aurélio.”

    Bem…..a mesma falta de cultura que deve haver em Portugal, pois o índice de analfabetismo a que o senhor se refere é semelhante nos dois países (9% aqui, 7% aí) e as nossas universidades são infinitamente melhores do que as portuguesas, segundo os rankings internacionais. Veja-se, por exemplo, que entre as 200 melhores universidades do mundo, há 5 brasileiras e só uma portuguesa no fim da lista (e a USP está em 38o.). É isto que conta no caso das traduções, universidade de ponta – e o Brasil as tem em muito maior número e num nível muito superior ao de Portugal!!!

    O simples fato de que o senhor tenha utilizado livros didáticos brasileiros – e sei que isto é muito comum em Portuga – é a prova disto. Os portugueses não têm gente capacitada para traduzir e precisam recorrer às nossas traduções e às dos espanhóis. Nós, por outro lado, usamos as nossas traduções e não precisamos das portuguesas (eu tive o azar de ter de usar uma e conheci um ou outro colega que teve de usá-las e com a mesma opinião que eu).

    O único texto bem traduzido por um português que eu já li foi um poema de Edgar Allan Poe traduzido por Fernando Pessoa. E, veja, ao contrário do que disse aquela senhor ali de cima, eu NÃO o desprezei. Aceitei de bom grado. Porque? Porque foi BEM traduzido!! Não me interessa onde foi publicado ou onde deixou de ser, interessa a QUALIDADE!

    E os problemas de terminologia técnica! Os dois países não usam as mesmas palavras para as mesmas coisas. E isto se reflete, de outra maneira, na Wikipedia, nos sites e em outros lugares.

    Há milhares de motivos para não sermos a favor.

    • O objectivo da minha hipótese inicial não era de maneira alguma propôr uma unificação. Como muito bem diz, unificar um fórum impondo uma língua ou um idioma padrão não faz o mínimo sentido. O que esu estava a sugerir era apenas que o sítio, o local fosse um só. Nesse sítio cada um fala como sempre falou ou acha que deve falar.

      O que é que se ganha? Para já, evitamos a dispersão de recursos. Somos mais, no mesmo sítio, aumentando assim a probabilidade de mais utilizadores verem, comentarem e ajudarem nas dúvidas de todos. Depois, e admitindo que apesar de me ser cara, a vantagem é menor, ficamos a conhecer melhor os nossos respectivos países e seus modos.

      Sou todo a favor da discussão sobre a língua portuguesa e sobre as vantagens e desvantagens de possíveis unificações ou especializações da mesma, mas não é de todo essa a questão aqui. A questão é só a de como aumentar a troca de informação em benefício de todos.

  41. José

    OK, já vi que sou mal interpretado por aqui.

    Não pretendo continuar com esta discussão. Tudo o que eu disse, baseado na REALIDADE dos fatos (incluindo numeros, estatísticas, etc, etc) foi tido como afronta e gerou comentários agressivos, mal educados, complexados e roçando a simples e pura xenofobia.

    De certo modo, concordo com a sra. Lusitana Combatente. Sempre que houver qualquer coisa conjunta entre brasileiros e portugueses, a variante que se irá impor é a brasileira, pelos motivos que eu expus anteriormente (produção cultural, universidades, institutos de pesquisa, usuários de Internet, etc, etc). E essa imposição será natural e não decorrente de algum interesse “imperialista” do Brasil (até porque, para ser franco, quase nunca se fala em Portugal por aqui). A avaliação da sra. Lusitana é correta (apesar do linguajar que usou….).

    E isso vai gerar a reação contrária, como sempre gera quando se verifica uma “invasão” no espaço de outro. É uma reação muito humana, aliás. O resultado está aí, nos comentários da própria sra. Lusitana e do sr. José, que começou muito simpatiquinho e terminou, de maneira complexada e algo deprimente, cuspindo insultos para todos os lados.

    Enfim……por essas e outras, sou contrário a um fórum comum. Portugueses, africanos e timorenses no seu fórum, e brasileiros no nosso. Facilita a vida de todos.

  42. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    Peço a todos para lerem com atenção os meus pensamentos que se seguem nas duas mensagem a seguir a esta. Obrigada.

    Caro Zé
    É óbvio que a sua pergunta é a respeito do local e que nesse local todos podemos falar o que falamos, ou escrever o que escrevemos: português.
    Também nunca disse que pt-pt e pt-br são duas línguas ou idiomas diferentes. Creio até que só há brasileiros a proclamar tal coisa (também fora deste contexto aqui).

  43. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    A questão resume-se da seguinte forma:

    1 – Se o Zé optar por acabar com os dois forums que já existem:

    1 – A – Cada português que precisa de informações e de participar no forum, é obrigado a ler continuamente as perguntas, sugestões e discussões de uma população que além das pessoas cultas, contém milhões de pessoas, – uma maioria esmagadora em proporção aos portugueses – que não escrevem uma única frase sem erros, e que ainda precisa de aprender português. Para além disso é obrigado a ler em português.br, as instruções de que necessita, dadas por brasileiros cultos.

    1 – B – Cada brasileiro pode ler e discutir onde quiser, é livre de consultar e participar no forum onde apreender mais facilmente a informação e, resumindo, é livre de estar onde se sentir mais em casa.

    1- C – Cada cidadão dos outros países de língua portuguesa, são obrigados a lerem os mesmos diálogos ou instruções maioritariamente em portugues-br, pela simples razão de que os brasileiros são milhares de vezes mais.

    2 – Se o Zé optar por manter os dois forums que já existem:

    2 – A – Cada português pode ler e discutir onde quiser, é livre de consultar e participar no forum onde apreender mais facilmente a informação e, resumindo, é livre de estar onde se sentir mais em casa.
    2 – B – Cada brasileiro pode ler e discutir onde quiser, é livre de consultar e participar no forum onde apreender mais facilmente a informação e resumindo, é livre de estar onde se sentir mais em casa.
    2 – C – Cada cidadão dos países de língua portuguesa é livre de consultar e participar onde muito bem lhe aprover, tendo ainda um lugar onde pode encontrar o português mais próximo da matriz, se ele achar que isso contribui para o seu bem, e de ler as suas variações brasileiras o que sem dúvida, é também muito interessante.

    Agora vejam o que é que lhes parece mais democrático:
    Na primeira hipótese, a liberdade é retirada ao povo português; e não só. Na segunda hipótese nada é retirado a ninguém e a todos são dadas as mesmas possibilidades.

  44. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    Finalizando:

    O problema com a escolha 1 , o ponto consequente 1- A, é o seguinte:

    Muitos adultos que escrevem muito bem e vivem em Portugal, conseguem continuar a escrever bem o seu português, mesmo lendo coisas escritas num português diferente, ou mal escrito. É o caso da maioria daqueles que acima se manifestaram. Mas esses portugueses precisam de pensar além do seu umbigo:
    Há milhares de crianças, jovens e adultos, incluindo os milhares de emigrantes portugueses que, ao lerem continuamente esse português diferente ou mal escrito, iniciam um caminho irrecuperável da perda do seu português correcto.

    O Forum da WordPress é um espaço público, como tal deve proporcionar português correcto, exactamente como se procura fazer o mesmo nos nossos telejornais e radio. Se isso não existir, é impossível os nossos jovens aprenderem ou salvarguardarem um português ao nível que tem hoje (apesar das muitas queixas).

    É óbviamente a escolha 2 que é o caminho da liberdade. Não obrigatoriedade para quem não queira. Mas liberdade para todos.

    Tenho dito.

  45. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    Errata: a seguir a 1, deve estar “e com o ponto consequente 1-A”

  46. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    Querem ver o que é que os brasileiros pensam dos portugueses, e aquilo que continuamente se encontra no estrangeiro, quando se encontram brasileiros? Vejam este curto vídeo.
    Já estive ao pé de muitos brasileiros, que devido a circunstâncias, estavam a falar dos portugueses a estrangeiros, e diziam pior que isto:

    Vá continuem portugueses, que vão bem.

  47. Terpsichore Diotima, Lusitana Combatente

    Vá portugueses lambam a mão de quem vos despreza, calunia, difama e humilha, e mordam a mão de quem vos defende e luta por vós, sem nunca ter recebido nada em troca. É por essa e por outra é que as pessoas mais tarde ou mais cedo, desistem…

  48. Sebastião

    Caríssimos,

    Venho por este meio repudiar o modo como a Língua de Camões e de Bilac tem vindo a ser tratada por alguns dos sítios mais importantes no mundo cibernético. Declaro que existe uma só Língua Portuguesa, que existe um acordo ortográfico a ser respeitado, por todos, quer portugueses, quer brasileiros, quer de qualquer outra nacionalidade da CPLP e obviamente qualquer outro que a tenha aprendido como língua estrangeira. Existindo unificação ortográfica não existe razão alguma para que se insista no br-PT e no pt-PT. Não me parece que possamos neste tipo de espaço decidir algo inevitável que já foi aceito universalmente, a unidade da nossa língua. Talvez outros mundos, o francófono, hispanófono, anglófono não o vejam com bons olhos e pretendam criar este género de divisões. Mas nós, os lusófonos, os que percebemos e sentimos a Saudade, devemos por cobro a este género de ingerência e exigir respeito pela nossa pátria, tal como Fernando Pessoa muito bem disse: Minha Pátria é a Língua Portuguesa. O resto meus amigos, só pode ser perca de tempo. Sou contra o corretor, este sítio e o fórum estarem separados por países. Precisamos de unidade, de fortalecer laços e não nos permitirmos a esta tentação de dirimir algo que já se sabe estar adquirido há muito, há séculos, para inveja de muitos.

  49. António Marafuga

    Meu caro Sebastião… não me faça declarações linguísticas! Não faz sentido vir declarar que existe a Língua Portuguesa, que existe um acordo ortográfico. etc.
    Ou entendemos que uma língua é um “instrumento” vivo em contínua evolução.. ou um conjunto de palavras e de regras gramaticais declaradas num acordo meramente político. Eu declaro-lhe que a minha língua não é fruto de um acordo poilítico e estou-me nas tintas para o tão falado acordo político. Encontro a língua que falo e escrevo no seio do meu povo, de agora e dos séculos pretéritos. Sabe onde vou tirar as minhas dúvidas sobre a minha língua? Entre a gente que a fala e aqueles que a cultivaram, pessoas anónimas e Pessoa ou pessoas não anónimas.

    Sabe que também existiram ‘constituições’ romanas sobre a língua latina? Efectivamente também existiram, sobretudo no momento em que os povos do império falavam diferentes latins, todos latim é verdade, mas diferentes. E ainda bem que assim foi e aconteceu… Os povos borrifaram-se nas ‘constituições’ e hoje orgulhamo-nos do nosso português, e os franceses têm igual orgulho do seu francês.
    O Brasileiro (o Português falado no Brasil) já é, ou será, ou devemos incentivar que seja uma língua variante do Português, tal como o Português é uma variante do Galego, e o Galego do Latim…
    Se assim não entendermos… por certo que teremos a morte do Português e daqui a 100 anos o Brasileiro como língua comum a portugueses e brasileiros! Mas o Brasileiro não será jamais a língua de Fernando Pessoa ou de Camões.

    Que exista um só Forum! Ok. Mas que nele cada um fale a sua língua, seja o Português, seja o Brasileiro, seja o Inglês ou o Francês, porque não! Que nesse Forum um falante do Brasileiro fale ou escreva em Brasileiro e um falante do Português fale e escreva em Português.

    Alguém falou na Wikipédia.PT. É um desastre linguístico! Os artigos são escritos, alterados, acrescentados, etc. pelos diversos falantes. Os textos finais são verdadeiras mantas de retalhos linguísticos desaconselháveis a crianças e jóvens, para não falar da má qualidade dos mesmos. Vejam na Wiki.PT o artigo “Literatura Portuguesa” ou “de Portugal”. É arrepiante!

    António Marafuga

Please do not use these comments for asking questions, support, or bug reporting. Use the forums or support contact form for that.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: